O modo de vida atual envolve o ser humano num ambiente onde a presença de metais tóxicos é permanente e quase sempre invisível, como a poluição, resíduos de combustíveis, tintas, amalgmas dentários, alimentos, alguns medicamentos, etc.

 

Os metais pesados são metais quimicamente reativos e bio-acumulativos, ou seja, o organismo não é capaz de eliminá-los.

 

metais pesados.jpg

 

Os seres vivos necessitam de pequenas quantidades de alguns desses metais, incluindo cobalto, cobre, manganês, molibdênio, vanádio, estrôncio, e zinco, para a realização de funções vitais no organismo. Porém níveis excessivos desses elementos podem ser extremamente tóxicos. Outros metais pesados como o mercúrio, chumbo e cádmio não possuem nenhuma função dentro do organismo e a sua acumulação pode provocar graves doenças principalmente do sistema gastrointestinal, neurológico, cardiovascular e urológico.

 

A intoxicação por metais pesados pode ser aguda, é aquela na qual os sintomas surgem rapidamente, algumas horas após a exposição excessiva, por curto período ou crônica, que caracteriza-se por surgimento tardio, em meses ou anos, por exposição pequena ou moderada a produtos tóxicos ou a múltiplos produtos, acarretando danos irreversíveis, do tipo paralisias e neoplasias.

 

intoxicação chumbo.jpg

 

 

Os metais pesados são muito usados na indústria e estão em vários produtos. Apresentamos na tabela abaixo os principais metais pesados, suas fontes e seus riscos à saúde humana.

 

Tabela de metais pesados.jpg

 

 

Intoxicação por Mercúrio:

 

O mercúrio é um elemento natural que é encontrada em pequenas quantidades no ar, água e solo. 

 

Ele existe em várias formas:

. elementar ou mercúrio metálico

. compostos inorgânicos de mercúrio

. compostos orgânicos de mercúrio

 

É um metal comumente utilizado para fazer lâmpadas, termômetros, interruptores, tintas, industria de soda e cloro, nos peixes, agrotóxicos, na medicina, na odontologia e aparelhos de precisão.

 

 mercurio.jpg

 

 

 O mercúrio torna-se especialmente perigoso na forma de vapor, quando aquecido, especialmente por ser inodoro e incolor.

 

Quando o carvão é queimado, o mercúrio é liberado no meio ambiente. As usinas de carvão são a maior fonte de origem humana das emissões de mercúrio para o ar no Brasil, representando mais de 30% de todas as emissões domésticas de origem humana de mercúrio (1). Nos Estados Unidos são mais de 40%. O mércurio também é encontrado em baterias, amalgmas dentários, peixe (contaminação de mares e rios), lâmpadas fluorescentes, vacinas e termômetros. O mercúrio pode ser absorvido pela pele, inalação de vapores ou oral na alimentação e na água.

 

Ciclo de Intoxicação do Mercúrio no Homem:

 

mercurio ciclo.jpg

 

 

 

Assista ao vídeo abaixo e entenda como se dá a intoxicação por mercúrio:

 

 

 

A partir do momento que o mercúrio passa ao sangue entra em contato com as proteínas do plasma destribuindo-se pelos tecidos, rins, fígado, medula óssea, parede intestinal, mucosas, glândulas salivares, pulmões, cérebro e osso.

 

As intoxicações por mercúrio (hidrarginismo) varia seus sinais e sintomas de acordo com o nível de intoxicação aguda ou crônica.

 

Intoxicação aguda

1. aspecto cinza escuro na boca e faringe 

2. dor intensa 

3. vômitos (podem ser até sanguinolentos) 

4. sangramento nas gengivas 

5. sabor metálico na boca 

6. ardência no aparelho digestivo 

7. diarréia grave ou sanguinolenta 

8. inflamação na boca (estomatite) 

9. queda dos dentes e ou dentes frouxos 

10. glossite (inflamação na língua)

11. aumento (tumefação) da mucosa da gengiva 

12. nefrose nos rins 

13. problemas hepáticos graves 

14. pode causar até morte rápida (1 ou 2 dias)

 

Intoxicação Crônica 

1. transtornos digestivos 

2. transtornos nervosos 

3. caquexia (perda do apetite, fraqueza e perda muscular)

4. estomatite 

5. salivação 

6. mau hálito 

7. inapetência 

8. anemia 

9. hipertensão 

10. afrouxamento dos dentes 

11. problemas no sistema nervoso central 

12. transtornos renais leves 

13. possibilidade de alteração cromossômica

 

A intoxicação crônica do mercúrio leva a "Doença de Minamata" conhecida desde 1956, onde 111 pessoas morreram em Minimata, no Japão e muitos ficaram incapacitados (2). Os sintomas incluem distúrbios sensoriais nas mãos e pés, danos à visão e audição, fraqueza e, em casos extremos, paralisia e morte. A "Síndrome de Minamata" demora 20 anos para se manifestar após o início da contaminação.

 

O vídeo abaixo mostra como o mercúrio atua no cérebro, mata os neurônios e leva a doenças neurológicas grave:

 

 

 

 

Evite contaminantes:

 

. Amálgama dentário troque por porcelana

. Anti-séptico mercúrio cromo (Mertiolate)

. Indústria de tinta e tingimento de roupas, principalmente o jeans.

. Frutos do mar como tubarão, peixe espada, cavala, filé de atum, cação e arenque, dando preferência para os de menor contaminação, como camarão, truta, salmão e haddock.

. Uso de pesticidas e fungicidas.

. Alimentos com agrotóxicos, dar preferência a alimentos orgânicos.

. Cuidados especiais devem ser tomados quando quebrar lâmpada fluorescente ou termômetro de mercúrio. O endereço na Agência de Proteção Ambiental americana (EPA) oferece dicas e informações sobre o que fazer em caso de vazamento de mercúrio – http://www.epa.gov/.

 

 

Intoxicação por Chumbo:

 

O chumbo é um metal encontrado em estado sólido na natureza, não fazendo mal neste estado. É usado na construção civil, baterias de ácido, em munição, proteção contra raios-X e forma parte de ligas metálicas para a produção de soldas, fusíveis, revestimentos de cabos elétricos, materiais antifricção, metais de tipografia, etc.

 

É um metal conhecido e usado desde a antiguidade. Suspeita-se que este metal já fosse trabalhado há 7000 anos, utilizado pelos egípcios sendo parte de ligas metálicas devido suas características e pelos romanos como componentes de tintas e cosméticos.

 

A contaminação pelo chumbo pode advir de forma natural ou geológica, como também através de atividades exercidas pelo homem (mineração, indústria e transporte). Sendo assim, o teor de chumbo nos solos varia de região a região: em regiões próximas às vias de tráfego intenso e de indústrias, os teores de chumbo são bem mais elevados que aqueles encontrados em áreas isoladas.

 

Chumbo.jpg

 

Assista ao vídeo que mostra como você pode se contaminar no dia-a-dia com chumbo e como a intoxicação atua no organismo:

 

 

 

A quantidade anual de chumbo que se dispersa como contaminante atmosférico é muito elevada. 

 

Estimaram que a cada ano um total de 330 000 toneladas de chumbo são diretamente despejados na atmosfera(3). Somente 4% do chumbo emitido na atmosfera é de fontes naturais (emissões vulcânicas, erosão, e depósitos naturais). A figura abaixo que ilustra as rotas de exposição humana do chumbo no solo, na água, no ar, em animais e plantas.

 

chumbo 2.jpg

 

 

A intoxicação por chumbo atinge o cérebro, sistema hematopoiético, rins, e sistema nervoso periférico. Podendo levar a várias doenças na fase crônica (a longo prazo) cefaléia (dor de cabeça), perda da memória, Doença de Alzheimer, depressão, insônia, convulsão. As crianças são as principais vítimas, pois o chumbo pode ser encontrado em brinquedos que vão a boca, alimentos industrializados, na água, no solo e no ar.

 

Existem duas vias pelas quais o chumbo pode entrar no organismo:

a) Respiratória: mais comum em ambientes de trabalho onde os empregados ficam expostos a vapores de óxido de chumbo.

b) Digestiva: alimentação contaminada.

 

Sintomas e sinais de intoxicação por chumbo é diferente em adultos e crianças:

Em crianças:

. Irritabilidade,

. Perda de interesse por brincadeiras,

. Vômito violento,

. Falta de equilíbrio,

. Confusão,

. Sono,

. Anemia,

. Convulsões e

. Coma.

 

Em adultos:

. Alteração da personalidade, um indivíduo que era muito calmo pode tornar-se agressivo e vice-versa

. Dor de cabeça persistente

. Sabor metálico na boca

. Falta de apetite

. Anemia

. Dor abdominal

. Vômito

. Prisão de ventre

Também pode  ocorrer sintomas de lesão cerebral por inchaço do cérebro, mas é mais comum em crianças.

 

Evite contaminantes:

. Tintura dos cabelos

. Esmalte procure utilizar os hipoalergênicos

. Pigmentos usados em tintas 

. Cerâmicas vitrificadas (copos, jarras, pratos)

. Pesticidas

. Cinzas e fumaça de madeira pintada

. Fabricação caseira de baterias

. Moradia próxima de fundições

. Queima de madeiras pintadas

. Alimentos contaminados com agrotóxicos e pesticidas, consuma mais frutas e verduras orgânicas.

Em 28 de julho de 2011 cerca de 160 crianças receberam tratamento médico no hospital local em Fengxiang, província de Shaanxi, na China, depois de terem sido intoxicicadas com níveis excessivos de chumbo no organismo por contaminação do leite.Este foi um problema agudo, mas existe caso de intoxicação crônica.

 

 

Intoxicação por Alumínio:

 

O alumínio é um metal encontrado na maioria dos tipos de tecidos animais e vegetais e, em águas naturais em toda parte. Trata-se do metal mais abundante na crosta terrestre, representando aproximadamente 8% do total componentes minerais(4). Devido à sua reatividade, o alumínio na natureza é encontrado somente em combinação com outros elementos.

 

Reportagem abaixo fala sobre a intoxicação por alumínio:

 

 

 

A faixa de ingestão diária de alumínio na dieta de seres humanos está em torno de 10 à 100mg. O próprio organismo tem como excretar esse alumínio que entra, mas se a contaminação for mais alta o organismo não consegue regular. Se uma carga significativa excede a capacidade do corpo excretar, o excesso é depositado em vários tecidos, incluindo ossos, cérebro, fígado, coração, baço e músculo pode levar o indivíduo à morte.

 

 

A contaminação de alumínio se dá principalmente pelo abastecimento urbano de água, porque a água é geralmente tratada com alumínio. A poluição do ar pelas indústrias também contribui para a contaminação do alumínio, assim como materiais de utensílios domésticos (panelas, plásticos e vidros), medicações orais, soluções parenterais, alimentos industrializados e os vegetais e frutas (agrotóxicos).  Paciente com insuficiência renal crônica que fazem hemodiálise ter maior teor de alumínio no corpo.

 

Efeitos Tóxicos, sintomas e Sinais da Intoxicação por Alumínio:

  • anemia
  • cérebro: fator de risco para doença de Alzheimer, neurotoxidade aguda, encefalopatia crônica
  • osso: osteomalácia, doença óssea adinâmica

 

Fase aguda de alum&iac