O emagrecimento rápido e saudável é possível com o estudo da taxa metabólica basal e de repouso de cada indivíduo, para compreender este assunto vamos entender através deste artigo alguns conceitos importantes como os componentes do gasto energético que é a energia despendida pelo corpo humano na forma  da soma da taxa metabólica basal ,efeitos térmico do alimento e termogênese  por atividade. Estes três componentes  compõem o gasto energético total (GET) diário de uma pessoa. Compreender seu metabolismo através do estudo médico nutrológico do seu organismo será a maneira mais eficaz para o emagrecimento rápido e com saúde, este é o objetivo da Clínica Higashi.

Calorimetria rio de janeiro.jpg

O QUE SIGNIFICA GASTO ENERGÉTICO BASAL ? 

O gasto energético basal (GEB) pode ser simplesmente  definido como a quantidade mínima de energia gasta que é compatível com a vida .O gasto energético basal de uma pessoa reflete  a quantidade de energia utilizada durante 24 h enquanto se descansa físicamente (ex:deitado  e mentalmente  em um ambiente termoneutro  que impede a ativação  dos processos  de geração de calor como calafrios. As medidas da taxa metabólica  basal (TMB)  são feitas logo cedo ,pela manhã ,antes que a pessoa tenha iniciado qualquer  atividade  física , 10 ou 12 horas após  a  ingestão de qualquer alimento ,bebida ,ou nicotina .A taxa metabólica  basal permanece marcadamente  constante  em uma base diária e tipicamente  representa  perto  de 60 a  70% do gasto  energético  total. Se quaisquer das condições para a taxa metabólica  basal não forem atingida , o gasto  energético  deve ser indicado  como a TAXA METABOLICA  DE REPOUSO (TMR) . Por razões práticas, a taxa metabólica  basal raramente é medida hoje em dia. Em seu lugar, as medidas de taxa metabólica de repouso são utilizadas, as quais, na maioria dos casos,são 10 a 20% maiores que a taxa metabólica de repouso.

 

O QUE É GASTO ENERGÉTICO DE REPOUSO (GER) ?

É energia despendida nas atividades necessárias para manter as funções corporais  normais e homeostase. Tais atividades incluem respiração e circulação, a síntese de compostos orgânicos, a bomba de íons através das membranas, a energia necessária para o sistema nervoso central e a manutenção da temperatura corporal. Os órgãos do corpo contribuem para a produção de calor . Quase 60% do gasto energético basal  podem ser responsáveis pelo calor produzido pelo fígado,cérebro,coração e rins. Na prática da nutrologia o exame de calorimetria indireta é método mas fidedigno para o quantificação do gasto energético em repouso.

Exame de Calorimetria Indireta para quantificação do Gasto Energético em Repouso:

exame de calorimetria rj.png

QUAIS FATORES QUE AFETAM O GASTO ENERGÉTICO DE REPOUSO(GER) ?

Vários fatores causam variação do gasto energético de repouso entre os indivíduos. Os principais determinantes são o tamanho e a composição corporal; entretanto, idade,sexo e estado hormonal também afetam o gasto energético em repouso.
Tamanho Corporal: As pessoas maiores, em geral,possuem taxas metabólicas maiores que as pessoas menores; mas as pessoas altas e magras possuem taxas metabólicas maiores que as pessoas baixas e gordas. Por exemplo, se duas pessoas possuem o mesmo peso, mas uma delas é mais alta, a pessoa mais alta, com uma área de superfície corporal maior, possui uma taxa metabólica maior. Sendo assim, aquelas com área de superfície corporal maior possuem uma taxa metabólica maior.A quantidade de massa corporal magra está altamente correlacionada com o tamanho corporal total. Por exemplo, as crianças obesas possuem taxa metabólica de repouso maiores que as crianças não obesas,mas quando a  taxa metabólica de repouso está ajustada à composição corporal,massa livre de gordura, e massa gorda,nenhuma diferença na taxa metabólica de repouso é encontrada.

Composição Corporal:  A massa livre de gordura (MLG), tecido metabolicamente ativo no corpo, é o principal determinante do gasto energético basal . A MLG contribui com aproximadamente 80% na variação do gasto energético basal. Devido à sua maior MLG, os atletas com desenvolvimento muscular maior possuem um metabolismo basal aproximadamente 5% maior que os indivíduos não-atletas.

A  massa livre de gordura  pode ser medida com mais precisão utilizando-se métodos de composição corporal de referência. Estes métodos incluem pesagem hidrostática (hidrodensitometria), absorciometria de raio X de dupla energia (DEXA ou DXA), e pletismografia de deslocamento de ar (p. ex., o BOD POD). A pesagem hidrostática determina a gordura corporal pela medida da densidade corporal de uma pessoa e é considerada o padrão ideal para medir a composição corporal. A densidade corporal é a diferença entre o peso seco antes da pesagem hidrostática e o peso debaixo da água. Como a gordura é menos densa e mais flutuante na água que a MLG, quanto menos uma pessoa pesar debaixo da água,maior será a gordura corporal. O BOD POD é baseado no mesmo princípio que a pesagem hidrostática, exceto pelo fato de ela usar a tecnologia recente de varredura que estima com precisão os minerais do osso,a gordura e o tecido mole livre de gordura. A exposição à radiação é mínima , aproximadamente a radiação do ambiente em um único dia para a análise da composição corporal total. Entretanto, devido ao custo e à natureza pouco prática desses métodos de referência, outros métodos um pouco menos precisos, porém mais práticos, como a antropometria de dobras cutâneas (ADC) e a análise de bioimpedância elétrica (BIA), são frequentemente utilizados para estimar a composição corporal. Dobras cutâneas é utilizada para determinar a percentagem de gordura corporal pela medida de tecido gorduroso subcutâneo com um compasso de dobras cutâneas. Uma pessoa altamente treinada deve realizar e ler as medidas de espessura das dobras cutâneas para obter os dados mais precisos. A técnica de bioimpedância elétrica poder ser utilizada para determinar a massa livre de gordura nas extremidades e envolve a colocação de eletrodos no punho e tornozelo. As medidas elétricas da bioimpedância elétrica são utilizadas para estimar a água corporal total de uma pessoa (ACT). A partir das medidas da água corporal total de uma pessoa  a massa livre de gordura pode ser estimada porque esta é composta principalmente de água. Subsequentemente, uma aproximação da massa gorda pode ser calculada como a diferença entre o peso corporal e a MLG.

Exame de Bioimpedânciometria Multisegmetada utilizada para estudo da composição corporal:

bioimpedanciometria rio de janeiro.jpg

Idade: a Taxa Metabólica de Repouso é determinada também pela idade ou seja , esta é mais alta durante os períodos de rápido crescimento,principalmente durante o primeiro e o segundo anos de vida. A energia adicional necessária para sintetizar e depositar o tecido corporal é cerca de 5 kcal/g de tecido ganho. Os bebês em crescimento podem armazenar até 12 a 15% do valor energético da sua ingestão alimentar na forma de tecido novo. Conforme uma criança vai ficando mais velha, a necessidade calórica para o crescimento é reduzida para cerca de 1% da necessidade energética total.Após o início da idade adulta, há um declínio a Taxa Metabbólica de Repouso de 1 a 2% por quilograma de Massa Livre de Gordura por década. O exercício pode ajudar a manter uma massa corporal magra maior e, desta forma uma Taxa Metabólica de Repouso mais alta.

Sexo: As diferenças sexuais nas taxas metabólicas são primariamente atribuídas as diferenças no tamanho e composição corporal. As mulheres que geralmente possuem mais gordura em proporção ao músculo que os homens,têm taxas metabólicas em torno de 5 a 10% menores que as dos homens de mesmo peso e estatura.

Estado Hormonal: O estado hormonal pode afetar a taxa metabólica, particularmente naquelas pessoas com distúrbios endócrinos, como hiper e hipotireoidismo, os quais aumentam ou diminuem o gasto energético, respectivamente. A estimulação do sistema nervoso simpático (p. ex.,durante períodos de excitação emocional ou estresse) causa liberação de epinefrina, que promove diretamente a glicogenólise e aumenta a atividade celular. A taxa metabólica das mulheres flutua com o clico menstrual. Alguns estudos mostraram que durante a fase lútea (p. ex., período de um tempo entre a ovulação e o início da menstruação), a taxa metabólica aumenta levemente. Durante a gravidez, o crescimento uterino,placentário e do tecido fetal, junto à frequência cardíaca aumentada da mãe, contribui para um aumento gradual na Taxa Metabólica Basal. Em média,a Taxa Metabólica Basal aumenta 11 calorias por semana durante a gestação.

Outros Fatores: O uso de cafeína, nicotina e álcool estimula a taxa metabólica. A ingestão de 200 a 350 mg de cafeína para homens e aproximadamente 240 mg para mulheres aumentou a Taxa Metabólica em Repouso em média de 7 a 11% e 8 a 15%, respectivamente  . O uso de nicotina aumentou a Taxa Metabólica em Repouso em média de 3 a 4 % entre os homens e em 6% entre as mulheres. O consumo de álcool entre as mulheres aumentou a Taxa Metabólica em Repouso em média 9%. A febre aumentou a taxa metabólica em cerca de 7% para cada grau de elevação na temperatura corporal acima de 13% para cada grau acima de 37ºC. A Taxa Metabólica em Repouso também é influenciada pelos extremos na temperatura ambiente. As pessoas que vivem em climas tropicais geralmente possuem TMR que são 5 a 20% maiores que daquelas que vivem em áreas temperadas. O exercício em temperaturas acima de 86ºF também impõe uma pequena carga metabólica adicional de cerca de 5% devido ao aumento da atividade das glândulas sudoríparas. A extensão na qual o metabolismo energético aumenta em ambientes extremamente frios depende do isolamento disponível a partir da gordura corporal e das roupas de proteção.

O QUE É O EFEITO TÉRMICO DO ALIMENTO NA QUEIMA DE CALORIAS ?

O efeito térmico do alimento (ETA) é o aumento no gasto energético associado ao consumo de alimento. O efeito térmico do alimento  é responsável por aproximadamente 10% do Gasto Energético Total. O efeito térmico do alimento também é chamado de termogênese induzida pela dieta (TID), ação dinâmica específica (ADE), e efeito específico do alimento (EEA). O efeito térmico do alimento  pode ser separado nos subcomponentes obrigatório e facultativo (ou adaptativo). A termogênese obrigatória é a energia necessária para digerir, absorver e metabolizar nutrientes, inclusive a síntese e armazenamento de proteínas,gorduras e carboidratos. A termogênese facultativa ou adaptativa é o "excesso" de energia gasta, além da termogênese obrigatória, e acredita-se que seja atribuída à ineficiência metabólica do sistema estimulado pela atividade nervosa simpática.

QUAIS FATORES AFETAM O EFEITO TÉRMICO DO ALIMENTO ?

O efeito térmico do alimento varia com a combinação da dieta, sendo maior após o consumo de carboidratos e proteínas que o de gordura. A gordura é metabolizada eficientemente, com apenas 4% de perda, comparada a 25% de perda quando o alimento é carboidrato que é convertido em gordura para armazenamento. Acredita-se que estes fatores contribuem para as características da gordura que promove obesidade. Mulheres que seguem um programa de alimentação regular apresentam apresentam uma maior taxa de efeito térmico do alimento comparado com mulheres que se alimentam de maneira irregular.

Os alimentos condimentados intensificam e prolongam o efeito do efeito térmico do alimento . As refeições com adição de pimenta chili e mostarda podem aumentar a taxa metabólica em 33% ou mais que as refeições não condimentadas, e esse efeito pode ser prolongado por mais de 3 horas.

O QUE É TERMOGÊNESE POR ATIVIDADE ?

A termogênese por atividade (TA) é a energia gasta durante exercício físico e esportes; a energia gasta durante as atividades do dia a dia é chamada de termogênese por atividade de não-exercício(TANE). A contribuição da atividade física é o componente mais variável do gasto energético total, o qual pode ser menor que 100 quilocalorias (kcal)/dia em pessoas sedentárias ou maior que 3.000 kcal/dia em pessoas muito ativas. A termogênese por atividade de não-exercício é a energia gasta durante as atividades do dia a dia como a energia gasta durante o trabalho diário e a energia gasta durante atividades de lazer (p. ex., fazer compras ,mexer-se e até mesmo mastigar chiclete), o que pode contribuir para a diferença significativa no custo energético entre as pessoas.

QUAIS OS FATORES QUE AFETAM A TERMOGÊNESE POR ATIVIDADE ?

A termogênese por atividade varia consideravelmente,dependendo do tamanho corporal e da eficiência dos hábitos individuais de movimento. O grau de habilidade também afeta o gasto energético de atividade voluntária, provavelmente devido às variações na massa muscular.

A termogênese por atividade tende a diminuir com a idade, uma tendência que está associada ao declínio da massa livre de gordura e ao aumento de massa gorda. A maioria dos homens geralmente possui maior músculo esquelético que as mulheres, o que pode contribuir para a maior termogênese por atividade. O consumo excessivo de oxigênio após o exercício (COPE) afeta o gasto energético. Mostrou-se que a duração  e a magnitude da atividade física têm aumentado o consumo excessivo de oxigênio após o exercício , resultando em uma elevada taxa metabólica mesmo após o término do exercício. O exercício habitual não causa um aumento significativamente prolongado na taxa metabólica por unidade de tecido ativo, porém causa um aumento de 8 a 14% na taxa metabólica de homens que são moderada e altamente ativos,respectivamente, devido à massa livre de gordura aumentada. Estas diferenças parecem estar relacionadas com o indivíduo e não com a atividade.

COMO FAZER A MEDIÇÃO DO GASTO ENERGÉTICO ?

A unidade padrão para medir energia é a caloria, que é a quantidade de energia na forma de calor necessária para elevar em 1ºC a temperatura de 1mL de água a 15ºC. Como a quantidade de energia envolvida no metabolismo do alimento é consideravelmente grande, a quilocaloria(kcal ou cal) (1.000 calorias) é comumente utilizada para medi-la. Uma convenção popular é designar quilocaloria como "Caloria" (com um "C" maiúsculo). Neste texto, quilocaloria é abreviada como kca.
O joule (J) mede a energia em termos de trabalho mecânico, e é a quantidade de energia necessária para acelerar a força de 1 newton (N) por uma distância de 1m; esta medida é amplamente utilizada em outros países sem ser os EUA. Uma kcal é equivalente a 4.184 quilojoules (kJ).

COMO FAZER A MEDIÇÃO DO GASTO ENERGÉTICO HUMANO ?

Vários métodos estão disponíveis para medir o gasto energético humano. É importante conhecer as diferenças desses métodos e como eles podem ser aplicados em ambientes clínicos e de pesquisa.

Calorimetria Direta

A calorimetria direta monitora a quantidade de calor produzida por uma pessoa colocada dentro de uma estrutura grande o suficiente para permitir atividade moderada. Essas estruturas são chamadas de salas calorimétricas. A calorimetria direta fornece uma medida de energia gasta de forma de calor, porém não fornece informação sobre o tipo de combustível que está sendo oxidado. O método também é limitado pela natureza confinada das condições do teste. Portanto, a medição do Gasto energético total utilizando este método não é representativa de individuo em condições de vida normal (p. ex., comprometido em atividades diárias normais) em um ambiente normal,porque a atividade física dentro da câmara é limitada. O alto custo, a engenharia complexa e a escassez de instalações apropriadas no mundo todo também limitam o uso desse método.

Calorimetria Indireta

A calorimetria indireta estima o gasto energético pela determinação do consumo de oxigênio e produção de dióxido de carbono pelo corpo durante certo período. O equipamento varia, mas a pessoa geralmente respira em uma peça colocada na boca ou por um capuz ventilado através do qual os gases expirados são coletados. A calorimetria indireta possui a vantagem de mobilidade e baixo custo quando comparado a calorimetria direta. A forma mais utilizada de calorimetria indireta é a medida da Taxa Metabólica de Repouso, através de uma cobertura respiratória de troca gasosa. Esses capuzes ventilados são utilizadas para medições a curto e longo prazos. Apesar de ser menos vantajosa na termogênese por atividade, a calorimetria indireta pode ser utilizada para medir a termogênese durante várias atividades em ambiente de laboratório. Os calorímetros indiretos portáteis são menos incômodos e tipicamente mai práticos para serem utilizados no ambiente clínico, frequentemente utilizadas à beira dos leitos de hospitais para avaliar as necessidades energéticas dos pacientes.

Alimentos, cafeína,álcool e nicotina aumentam a taxa metabólica de repouso e devem ser limitados antes da avaliação pelo método de calorimetria indireta. Entre pessoas saudáveis, o mínimo de 3 horas após as refeições e lanches, é recomendado. A cafeína deve ser evitada por no mínimo 3 horas, e o álcool e o fumo por no mínimo 2 horas. O teste não deve ocorrer antes de 2 horas após exercício moderado; após um exercício de resistência vigorosa,é aconselhado um perío